« Ansiedade matemática em meninas não vem do berço, e sim de estereótipos... e da professora | Main | Médicos frios: você quer um desses »
Wednesday
Mar102010

A recuperação escolar sob investigação científica

Na época do colégio, muitos experimentam a sensação de chegar ao final de uma disciplina e não obter a nota suficiente para passar de ano. Solução? O período de reforço do aprendizado conhecido como “recuperação”, verdadeiro pesadelo para alguns!

Para o desespero dos que esperneiam dizendo que não necessitam de reforço, ou que o reforço não adianta nada, um artigo na revista Neuron de dezembro de 2009 apresenta justamente os benefícios para o cérebro dos alunos que passam por tal período de remediação.

Timothy Keller e Marcel Just, da Universidade Carnegie Mellon em Pittsburgh, EUA, recrutaram crianças em idade escolar com nível de leitura baixo e os separaram em dois grupos: um deles recebeu somente o ensino formal, enquanto o outro passou adicionalmente por aulas de reforço direcionadas para melhorar a capacidade de decodificar fonemas. Comparada às duas semanas usuais de duração da recuperação escolar, a recuperação no estudo foi anormalmente longa: os alunos passaram por 100 horas de estudo remedial, distribuídos em 6 meses, com aulas diárias de 50 minutos, 5 vezes ao semana.

Em crianças com dificuldades de leitura, já havia sido observada uma redução da substância branca semioval do cérebro, que é a porção da substância branca onde se encontram as fibras que conectam os lobos frontal, parietal e temporal, trocando informações necessárias para a leitura. Essa redução pode resultar tanto de uma deficiência de mielinização quanto de uma redução da espessura das fibras ou até do seu número. Com uma menor conectividade entre os lobos cerebrais, a leitura ficaria prejudicada.

Em comparação, Keller e Just observaram que, ao fim dos seis meses do estudo, os alunos submetidos ao programa de recuperação, e somente eles, tiveram um aumento da substância branca semioval. O aumento ocorreu no sentido do envoltório das fibras, o que leva a crer que o efeito da recuperação é um espessamento da bainha de mielina dos axônios da substância branca, que confere isolamento elétrico aos impulsos nervosos que trafegam pelos axônios, tornando a transmissão de sinais mais rápida e fidedigna – o que provavelmente facilita a leitura. De fato, as crianças que fizeram a recuperação, e não as outras, tiveram uma melhora na capacidade de decifrar palavras.

Ou seja: ficar em recuperação pode ser um sofrimento – mas, se serve de consolo, ela é sim capaz de mudar o cérebro! (PfMRI, 10/03/2010)

 

Fonte: Keller AT, Just MA (2009). Altering Cortical Connectivity: Remediation-Induced Changes in the White Matter of Poor Readers. Neuron. Dec;64(5): 624-631.

References (9)

References allow you to track sources for this article, as well as articles that were written in response to this article.

Reader Comments (6)

Olá.

Eu acho muito interessante esta fundamentação daquilo que é uma solução pedagógica nem sempre pacífica para os alunos.

Acho que este tipo de resultados deveriam ter mais eco no meio escolar e na sociedade em geral, para que alunos, pais e professores se convençam e possam estar em sintonia a respeito da recuperação.

Grato,

Marcelo Melo
www.3vial.blogspot.com

March 16, 2010 | Unregistered CommenterMarcelo Melo

ACHEI INTERESSANTE ESSE ARTIGO.
AGORA SEI QUE NA PRÁTICA Ñ FUNCIONA POIS GERALMENTE Q QUE ACONTECE É Q MUITOS SÓ FAZEM UMA PROVA PRA RECUPERAR NOTA E DIZ QUE ESTÁ FAZENDO RECUPERAÇÃO. RECUPRANDO O Q?
PQ APRENDIZADO NENHUM, TEM OS ALUNOS....

March 25, 2010 | Unregistered CommenterCRENI

Acho que, se o curso de recuperação for planejado e orientado de maneira correta, aplicado em tempo hábil e realmente participativo, deve gerar resultados satisfatórios sim. Como uma última chance para a aprovação, o aluno se empenha de forma ativa e consciente.
Douglas Bezerra

March 31, 2010 | Unregistered CommenterDouglas Bezerra

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.

My response is on my own website »
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
Some HTML allowed: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <code> <em> <i> <strike> <strong>