« E se um ímã puder afetar o seu julgamento moral? | Main | A recuperação escolar sob investigação científica »
Friday
Mar122010

Ansiedade matemática em meninas não vem do berço, e sim de estereótipos... e da professora

O gosto pela matemática divide as opiniões dos estudantes desde que estão nos primeiros anos do ensino fundamental. Há os que adoram o mundo dos números e há os que torcem o nariz só de pensar em fazer uma multiplicação. Muitos destes últimos manifestam uma grande ansiedade em relação à matemática, que pode ser definida como uma resposta emocional desagradável à matemática, e que é mais comum em mulheres do que em homens. O fato dessa ansiedade em relação à matemática ser mais comum em mulheres, ou meninas, é usado por alguns como evidência de que já na infância as mulheres seriam menos aptas para a matemática do que os homens.

Isso, no entanto, não é necessariamente verdade – e, aliás, há evidências de que não há uma inaptidão inata de qualquer dos sexos para a matemática. Ao contrário, a ansiedade em relação à matemática poderia ser... aprendida. E aprendida, por exemplo, da própria professora de matemática.

Isso é o que descobriram Sian Beilock e colegas, da Universidade de Chicago, em uma pesquisa com estudantes e professoras do ensino fundamental nos EUA, onde 90% dos professores do ensino fundamental são mulheres. O grupo testou as habilidades matemáticas e o grau de ansiedade com relação à matemática de 17 professoras da 1ª e 2ª série do ensino fundamental (mas não professores). Também os estudantes, nos três primeiros meses de aula e nos dois últimos, tiveram testadas suas habilidades matemáticas e sua crença no estereótipo acadêmico de gêneros (“meninos são melhores em matemática e meninas são melhores em leitura”). Afinal, seria possível que a ansiedade matemática das professoras levasse a um menor desempenho das alunas em matemática se estas se acreditassem intrinsicamente ineptas, como sua professora, para a matemática.

Para avaliar a crença no estereótipo acadêmico, os pesquisadores contavam duas histórias isoladas sobre um estudante (sem distinção de sexo, o que funciona em inglês) bom em matemática e um estudante (também sem distinção de sexo) bom em leitura e pediam às crianças para desenhar cada um dos personagens. Os cientistas perguntavam, então, às crianças se os personagens que haviam desenhado eram menino ou menina. O exercício foi realizado duas vezes: no início e no fim do ano letivo.

Resultado: no fim, mas não no início do ano letivo, as meninas lecionadas por professoras com ansiedade matemática tinham maior propensão a acreditar no estereótipo “meninos são bons em matemática e meninas são boas em leitura”. Ao final do ano, essas meninas, alunas de professoras com ansiedade matemática, também tinham menor desempenho matemático em relação aos meninos de sua classe e em relação às meninas da mesma classe que não acreditavam no estereótipo – embora no começo do ano todos tivessem desempenho igual. Os meninos, aliás, não parecem ser afetados pela ansiedade da professora, tenham eles ou não crença no estereótipo acadêmico.

A influência da ansiedade das professoras somente sobre as meninas pode ser atribuída ao fato de crianças em idade escolar (1a e 2a séries) tenderem a se espelhar nos adultos de mesmo sexo para compor seu repertório de comportamentos socialmente aceitáveis. Além disso, essas crianças já conhecem crenças comumente aceitas sobre gêneros e habilidades a elas atribuídas, e tendem a adotar comportamentos e atitudes que elas pensam ser adequados a cada sexo. Sendo assim, se a professora demonstra ansiedade em relação à disciplina e o senso comum diz que os meninos são melhores do que as meninas em matemática, muitas meninas acreditam nisso e sentem-se desmotivadas em desafios matemáticos. Essa falta de motivação tem uma influência direta no desempenho dessas meninas, que acaba sendo pior do que o esperado. Aliada à aceitação do estereótipo, a ansiedade matemática da professora, portanto, leva a queda do desempenho na disciplina, mesmo que a pessoa tenha habilidades suficientes para obter sucesso com os números.

Não se deve, contudo, colocar a culpa só na professora: há muitas outras fontes prováveis de influência no desempenho matemático das meninas, como professoras anteriores, pais, mães e irmãos, que reforçam ou não o estereótipo de habilidades acadêmicas.

O importante é lembrar que o desempenho geral de meninas e meninos não apresenta diferenças inatas: as habilidades são as mesmas entre os sexos, e o que difere é o estímulo que é dado a meninos e meninas para desenvolver suas competências. (SAC, 12/03/10).

 

Fontes: Beilock SL, Gunderson EA, Ramirez G, Levine SC (2010) Female teacher´s math anxiety affect girls’ math achievement. PNAS 107, 1860-1863.

Para ler mais: veja Mulheres e matemática, aqui nO Cérebro Nosso de Cada Dia.

 

 

 

References (6)

References allow you to track sources for this article, as well as articles that were written in response to this article.

Reader Comments (4)

Olá.

Sem qualquer tipo de pretensão científica, parece-me que também deveria ser tido em conta o facto de o modelo escolar tal qual o conhecemos ser mais receptivo à forma de estar das meninas do que à dos meninos, conforme li uma vez.

Esta ideia surgiu-me ao ler este texto porque é contrária aos resultados do estudo aqui referido.

Hipoteticamente, poderá pensar-se na compensação desse estereótipo de menores habilidades académicas com factores mais favoráveis às meninas, como o que referi, e isso poder ajudar a explicar porque motivo a diferença percepcionada nas escolas acaba por não ser tão expressiva como o estudo pode levar a crer.

Cordialmente,

Marcelo Melo
www.3vial.blogspot.com

March 16, 2010 | Unregistered CommenterMarcelo Melo

A pergunta é: o que fazer para que esse estereótipo deixe de funcionar? Tenho um menino, então concluo, que ele será influenciado a pensar que tem menos aptidão para a lingua Portuguesa.
O que fazer?

March 16, 2010 | Unregistered CommenterValeska Piva

Muito interessante este estudo.Eu me identifiquei bastante com o que foi apresentado.
Acredito que desde bem jovens,somos levados a crer que existe uma habilidade matemática superior dos meninos em relação às meninas.Mas se começarmos a refletir (e pesquisar) sobre o assunto, veremos que não é bem assim... Creio que é bastante importante salientar que aqui no Brasil,à época da implantação do ensino de primeiras letras pelo governo imperial,as disciplinas ministradas a meninos e meninas eram diferenciadas - às meninas cabia apenas o estudo das 4 operações fundamentais,sem o ensino da geometria pois considerava-se que não teriam capacidade para assimilar tal conhecimento.
Existe alguma pesquisa similar a esta aqui no Brasil? Seria o caso de pensar a formação das normalistas - que trabalham com a formação inicial....

July 30, 2010 | Unregistered CommenterPriscila A M

PostPost a New Comment

Enter your information below to add a new comment.

My response is on my own website »
Author Email (optional):
Author URL (optional):
Post:
 
Some HTML allowed: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <code> <em> <i> <strike> <strong>